Tinta fresca: entenda o hype do cabelo colorido na beleza

Tendência nas passarelas e aposta forte das marcas de cosméticos, cabelos tingidos de cores que vão do vermelho-fogo ao rosa pastel são o novo “acessório” de beauté

A maior aposta de beleza da temporada de moda internacional para o inverno 2018, entre fevereiro e março passados, não foi a textura do batom, tampouco um novo penteado. O que ocupou esse espaço? Os cabelos coloridos.

Em Milão, o highlight da apresentação da Versace foram apliques com mechas em tons de azul, vermelho, laranja e amarelo usados por tops como Gigi e Bella Hadid, Ellen Rosa e Amber Valletta. No desfile da Saint Laurent, a modelo que se sobressaiu foi a israelense Sean Levy, com seus fios fogo recém-pintados para a campanha da grife. A australiana Fernanda Ly, por sua vez, vem acumulando bons trabalhos (Dior, Fendi e Louis Vuitton) com suas madeixas cheias de personalidade – ela varia entre o rosinha-claro e o pink vibrante.

 Fora das passarelas, seja no street style nova-iorquino ou nas ruas dos Jardins, a moda também já começou a pegar – muitas vezes, o colorido aparece só nas pontas dos fios. Vermelho vivo, azul Klein e ombrés em tons pastel – lavanda, blorange (tom de pêssego originado da mistura de loiro e laranja) e rosé-gold estão entre as apostas da vez.

A ideia aqui não é cobrir os brancos, mas adotar o cabelo colorido como uma espécie de acessório. “Estamos vendo garotas aderindo à tendência como uma maneira de se destacar”, diz o cabeleireiro Guido Palau, um dos maiores experts em cabelo no mundo da moda.

O top colorista londrino Josh Wood, que desenvolveu as mechas para a Versace, faz coro. “Acredito que a cor no cabelo é a nova maquiagem, ela vem sendo usada como um complemento. Isso não é mais assustador para as mulheres, mas algo que elas realmente estão gostando”, disse à Vogue.

A tendência também é forte entre as grandes marcas de beleza: em 2017, o segmento de tintura é a maior aposta da L’Oréal Professionnel, que até o fim do ano terá lançado 30 novos tons, incluindo os da nova coleção #ColorfulHair, com cores fantasia como azul e verde. “Queremos tornar a transformação da cor do cabelo em algo tão natural e desejado quanto é hoje a maquiagem”, diz Alessandra Valença, diretora de marketing da marca no Brasil. Para isso, a empresa escalou como embaixadora a modelo Hailey Baldwin, que é naturalmente loira e vive mudando de estilo – até outro dia, postava selfies com os fios rosa em sua conta no Instagram.

Inverno/2017 Dior e Inverno/2017 Versace (Foto: Agência Fotosite, Shutterstock, Getty Images, Imaxtree, Reprodução Instagram e Divulgação)

Por aqui, os tons de pink e vermelho imperam. “Pintar o cabelo, para mim, é mudar alguma coisa de dentro para fora, é muito mais uma transformação pessoal do que algo relacionado à moda, tendência ou estação. Sinto vontade, vou lá e faço”, diz Patricia Romano, RP da Louis Vuitton na América Latina, castanha ao natural e há mais de seis meses dona de um cabelão ruivo em tom mais para o laranja que para o vermelho.

Quando o assunto é técnica, para o pigmento colorido se fixar num cabelo escuro, não há segredo: é necessário descolorir os fios primeiro. “Quanto mais saudáveis eles estiverem, melhor o resultado. Duas semanas antes de pintá-los, comece a fazer hidratações em casa”, indica o hairstylist americano Matthew Collins, da L’Oréal Professionnel.

Caso tenha medo da transformação, saiba que a duração desse tipo de tintura é menor que a da tradicional. “As cores fantasia não têm fixação tão forte quanto à coloração normal. Para a manutenção, depois de dez dias faço uma ‘recarga’ para reacender a cor. Mas o efeito desbotado também é interessante”, opina o cabeleireiro Fernando Torquatto.

“Eu sou geralmente indecisa sobre o meu cabelo e sempre que olho fotos antigas quero voltar a ter aquele corte ou estilo! Pintei os fios de pink com um produto temporária para a gravação de um clipe, e toda a vez que tinha que voltar ao set em dias diferentes tinha que repintar. Gosto de mudar o visual, mas meu objetivo é que os fios estejam sempre saudáveis. Por isso prefiro mudanças temporárias, como essas tintas que saem depois de um tempo”, disse Hailey Baldwin à Vogue, em janeiro passado, em Paris.

Decidida a embarcar na onda, mas na dúvida quanto à cor? “Ela deve combinar com seu tom de pele. Quanto mais clara, mais lavada deve ser a tinta; quanto mais escura, mais quente. Morenas podem apostar em mechas azuis misturadas ao fundo natural – o efeito é incrível! E as loiras devem abusar dos rosas. Já o roxo é o mais democrático, fica bem em todas”, atesta Daniel Carvalho, colorista do salão DUO Jardins, em São Paulo. Vai encarar?

 

Em sentido horário: Sophia Hilton, Emma Roberts, Hailey Baldwin, Amber Le Bon, Kesha, Irene Kim e Rihanna (Foto: Agência Fotosite, Shutterstock, Getty Images, Imaxtree, Reprodução Instagram e Divulgação)

Fonte: vogue.globo.com (https://goo.gl/PR0cxF)

Leia mais

Comentários

Por Luiza Souza

Fonte: vogue.globo.com (https://goo.gl/PR0cxF)

Leia mais